O diário japonês Mainichi revelou esta quarta-feira que a Coreia do Norte executou Ri Su-yong, um dos tesoureiros do falecido Kim Jong-il e como parte da recente purga encetada contra a fação política do deposto número dois do regime.

O jornal cita fontes próximas da direção do Partido do Trabalhadores para assegurar que o regime de Kim Jong-un executou Ri Su-yong depois de, na segunda-feira, Pyongyang ter confirmado a destituição de Jang Song-thaek, o influente tio do atual líder.

O diário acrescenta que após a execução de Ri Su-yong, as autoridades norte-coreanas terão executado cinco pessoas da confiança de Jang Song-thaek após a queda em desgraça do número dois do regime.

Ri Su-yong, também conhecido por Ri Chol, é considerado um membro próximo do deposto Jang Song-thaek e foi nomeado embaixador da Coreia do Norte na Suíça em 1988, um cargo considerado como o principal laço diplomático com a Europa.

Na Suíça, acredita-se, teria a seu cargo uma conta bancária de Kim Jong-il com fundos de cerca de 4.000 milhões de dólares e terá atuado como tutor do atual líder, Kim Jong-un, e do seu irmão mais velho Kim Jong-chul, quando ambos estudaram no país alpino.

No regresso a Pyongyang, por volta de 2010, Ri Su-yong, cuja idade rondará os 73 anos, esteve envolvido no comité liderado por Jang Song-thaek para impulsionar a criação de empresas com capital da Coreia do Norte e estrangeiro com o objetivo de captar investimentos e divisas estrangeiras.