Um ano e meio após o assassinato de uma família em Chevaline, nos Alpes franceses, um caso não resolvido que ganhou as manchetes dos jornais, a polícia francesa deteve esta terça-feira um primeiro suspeito no caso do quádruplo homicídio em setembro de 2012.

Divulgado há pouco mais de três meses, o retrato robô de um motociclista que foi avistado próximo da cena do crime permitiu à polícia deter agora um homem de 48 anos, que é um antigo agente da polícia municipal. As autoridades adiantam que talvez venham a ser feitas mais detenções.

O suspeito, que morava perto da cena do crime e sem «ligação direta» com as vítimas, foi preso quando saía de casa, de acordo com fontes oficiais citadas pela agência France-Presse.

«Esta prisão, que poderá ser seguida por outras, é fruto dos testemunhos recolhidos após a difusão (...) do retrato falado de um motociclista visto perto do local do crime (...)», informou o procurador da República de Annecy, Eric Maillaud.

A 5 de setembro de 2012, Saad al-Hilli, de 50 anos, um engenheiro britânico de origem iraquiana que trabalhava no setor aeronáutico no Reino Unido, a mulher, a sogra e um ciclista francês foram abatidos a tiro numa estrada florestal próxima de Chevaline, na região de Annecy, nos Alpes franceses. Duas filhas do casal sobreviveram ao ataque, sendo que uma delas ficou ferida com gravidade. O ciclista francês foi considerado uma vítima colateral do crime.

Mais de 100 agentes das polícias francesa e britânica têm estado envolvidos no inquérito. Uma das linhas de investigação seguida pelas autoridades é a possibilidade do crime ser consequência de uma guerra no seio dos al-Hilli em torno de uma herança. Especula-se que o homicídio possa ter ligações ao Iraque ou ao trabalho de al-Hilli como engenheiro de satélites no Reino Unido.

Intrigante continua a ser a arma do crime: um velho revólver Luger P06, de 7.65mm, que fazia parte do equipamento do exército e da polícia suíça nos anos 20 e 30 do século XX.

A Procuradora da República traçou o perfil do assassino como «experiente», «altamente qualificado», capaz de mudar de carregador três vezes e matar as vítimas com um tiro entre os olhos.

A detenção em França evidencia a hipótese de um assassino local. A polícia tratava o caso como um conflito familiar: Zaid Al Hilli, irmão de Saad, preso em 24 de junho de 2013 era suspeito de «conspiração para cometer um crime». Mas este homem, que reconheceu um conflito com o irmão por uma herança paterna, sempre clamou por inocência e foi libertado.

Agora, a pista de um assassino local isolado «é uma hipótese, mas esta hipótese não é principal», diz uma fonte próxima ao caso.