A Rússia tem todas as forças de que necessita na fronteira da Ucrânia para desencadear uma incursão militar e pode fazê-lo num prazo entre três a cinco dias, diz o principal responsável militar da NATO.

Philip Breedlove define a situação na fronteira como «incrivelmente preocupante» e disse, em entrevista à Reuters e ao Wall Street Journal, que a NATO detetou sinais de movimentações por parte de um pequeno contingente de tropas russas nas últimas horas, mas não qualquer indicação de que estavam a voltar para os aquartelamentos.

O general norte-americano revelou ainda que os ministros dos negócios estrangeiros da NATO lhe pediram para apresentar até 15 de abril um plano que inclui reforços por terra, ar e mar na zona.

A Rússia reagiu entretanto à suspensão da cooperação anunciada pela NATO, dizendo que a organização está a regressar à linguagem dos tempos da Guerra Fria e que ninguém vai ganhar com essa posição.