As cheias repentinas no sul de França provocaram a morte a pelo menos 16 pessoas, estando outras três dadas como desaparecidas, anunciou o presidente francês, François Hollande, em conferência de imprensa. 

"O número de vítimas ainda não está fechado, por causa da intensidade do que aconteceu. Neste momento, é necessário ser-se rápido, eficiente e coordenados" para encontrar os que sofreram com a intempérie. 


Hollande visitou a comunidade de Biot, nos Alpes Marítimos, para mostrar o seu apoio às vítimas da tempestade, dar "apoio às famílias", "agradecer o trabalho de todos os agentes" e a "mobilização excepcional, tendo em conta a gravidade da situação".

O presidente francês anunciou ainda que, na quarta-feira, será anunciado o estado de catástrofe natural no conselho de Ministros e que as indemnizações deverão ser pagas "num prazo de três meses".

As fortes chuvas da noite de sábado provocaram inundações em boa parte da Riviera Francesa, atingindo cidades como Cannes e Nice. Três das vítimas mortais eram idosos que morreram quando o lar em que se encontrava foi inundado.

As cheias levaram à interrupção da circulação de comboios, ao corte de várias estradas e deixaram dezenas de milhares de casas sem eletricidade.

Este sábado à noite, o jogo da primeira liga francesa entre o Nice e o Nantes teve de ser interrompido a meio.