A China fechou 50 sites e contas em redes sociais por violações das regras do ciberespaço, revelou a Administração do Ciberespaço da China esta terça-feira. As infrações incluem a «publicação de notícias políticas sem permissão» e pornografia, segundo a Reuters.

Segundo apontam os críticos, o governo chinês está a retirar o material indesejado da Internet, perseguindo os conteúdos que não deseja e limitando a liberdade de expressão no país.  As autoridades fecharam 17 páginas da rede social Weixin, mais conhecida por WeChat em inglês, 24 sites e nove canais e colunas em sites. Segundo Jiang Jun, porta-voz entidade de controlo online, o governo vai publicar regularmente uma lista dos violadores das regras do ciberespaço.

As contas na rede social Weixin foram fechadas ao longo dos últimos dois meses, segundo a agência de notícias Xinhua. Segundo a mesma agência, no ano passado, desde que foi lançada a campanha anti-pornografia, foram encerradas cerca de 1.8 milhões de contas na rede social Weixin e em serviços de mensagens instantâneas.

A China tem uma população de cerca de 1.3 mil milhões, dos quais 632 milhões usam a Internet, mas tem também o sistema de censura online mais sofisticado do mundo, mais conhecido como a «Grande Muralha», escreve a Reuters.  

Serviços como o Twitter, o Facebook, o YouTube, o Instagram, o Snapchat e o Google estão bloqueados no país mais populoso do mundo.