O Tribunal Superior de Londres proibiu um jovem de 16 anos de sair da jurisdição de Inglaterra e País de Gales, temendo que este tenha intenções de se juntar ao Estado Islâmico, na Síria, para onde partiram dois irmãos do adolescente, que já perderam a vida a lutar como jihadistas.

 

O magistrado responsável pelo caso, Paul Hayden, justificou a medida com a vulnerabilidade do jovem, «que cresceu numa família cujos membros masculinos estão comprometidos a lutar pela jihad na Síria».

 

O jovem residente em Brighton, com dupla nacionalidade britânica e líbia, tinha agendada uma viagem ao Dubai com a família.

 

Segundo a EFE, o juiz considera que a medida é «proporcionada» e pretende «manter o jovem vivo», protegendo-o «de si mesmo».

 

A medida preventiva decretada pelo Tribunal de Londres mostra que as autoridades britânicas não querem ver repetido o caso das três adolescentes que, no final de fevereiro, saíram do país rumo à Síria.

 

Na altura, as autoridades foram criticadas pelos pais das jovens, por não terem impedido a saída das três raparigas de Inglaterra rumo à Turquia.