No Irão há um sindicato dos barbeiros e não se pense que com isso estamos a falar de reivindicação de direitos ou de tendências de época, mas da defesa de costumes. E os visados são os jovens, para que não vão em modas e não se descuidem com a roupa mais fresca – que é como quem diz, menos roupa , agora que a temperatura está a subir no país.

As mensagens são comuns sempre que chega o verão e, como é habitual, os alertas também são dirigidos mais veementemente às mulheres para que não violem o código de indumentária islâmica, mesmo que a temperatura ronde os 30 graus nesta altura.
 
Contudo, o aviso do diretor do sindicato para este ano dirige-se aos jovens homens: nada de penteados “satânicos”, tatuagens, sobrancelhas depiladas ou bronzeados em excesso. Segundo a agência ISNA, citada pelo El Mundo, por “penteados satânicos entende-se o cabelo espetado”, por exemplo, podendo ser considerada uma violação da lei.
 
As tatuagens também não são admitidas, mas aí ainda há quem possa arriscar, num país onde os homens não podem usar calções nem mostrar os ombros e as mulheres bem tapadas até aos cotovelos.