A comunidade indígena mundial admitiu, esta quinta-feira, pedir a categoria de observador na Organização das Nações Unidas (ONU) para participar e ter mais poder nas decisões da entidade sobre os seus povos.

No quadro do Fórum Permanente da ONU para as Questões Indígenas, que termina hoje ao fim de duas semanas de sessões, o presidente desta organização, o guatemalteco Álvaro Pop, assinalou que a comunidade indígena deve avançar com uma nova categoria na ONU, uma vez que não é “nem Estado nem organização não-governamental”.

A resolução aprovada por consenso pede aos Estados que promovam “sociedades sem conflito” e aumentem a presença das mulheres indígenas na ONU, disse Pop, durante uma conferência de imprensa na sede da organização.