O alegado líder dos ataques de Bombaim, em 2008, pode ser libertado em breve.

Zaki-ur-Rehman Lakhvi ganhou um recurso contra a sua detenção no Paquistão, considerando que a sua prisão está ferida de ilegalidades, visto ter-lhe sido atribuída a liberdade condicional por outro tribunal.

Horas depois de lhe ter sido concedida a liberdade, a 18 de dezembro, o governo paquistanês emitiu uma ordem de prisão de três meses, fundamentando que ia recorrer da decisão do tribunal.

O paquistanês foi alegadamente o cérebro do grupo cujos ataques espalhados por vários edifícios, provocaram a morte a 165 pessoas, segundo as autoridades indianas. O Paquistão, por seu turno, não condenou ninguém pelos ataques, mas Lakhvi está, juntamente com outros seis suspeitos, em prisão preventiva há seis anos.

Esta decisão judicial cria mal-estar no governo paquistanês, segundo apurou a BBC, já que o Estado quer passar uma mensagem de «tolerância zero» aos extremistas, após o ataque a uma escola que matou 141 pessoas.