O estado indiano Tamil Nadu aprovou a libertação dos sete condenados pelo homicídio do antigo primeiro-ministro indiano Rajiv Gandhi, decisão que tem de ser ratificada pelo Executivo central, revelou o Governo na sua página da Internet.

O Governo do estado onde foi cometido o crime em 1991 tomou a decisão um dia depois do Supremo Tribunal comutar a pena de três dos condenados para prisão perpétua e deixou nas mãos do executivo local um possível indulto.

O estado apresentou a resolução ao Governo central, como estabelece o código penal, para aprovação final da libertação dos assassinos de Rajiv Gandhi que era o chefe do partido do Congresso, hoje no poder, e marido da atual líder dessa formação política, Sonia Gandhi.