Incêndios de grandes dimensões no sul da Califórnia, nos EUA, provocaram, pelo menos, um morto, a destruição de 500 edifícios e milhares de pessoas retiradas, numa das piores situações de emergência neste estado, informaram hoje as autoridades locais.

Em comunicado, o centro médico da área de Ventura confirmou a morte de uma mulher de 70 anos, da localidade de Santa Paula, e que, até agora, "é a única morte devido ao fogo confirmada" nesta região, uma das mais afetadas pelos incêndios que começaram na segunda-feira.

Segundo o centro, na quarta-feira, a mulher tentava fugir dos incêndios e teve um acidente com o carro em que viajava, o que lhe provocou vários ferimentos e a fez inalar uma grande quantidade de fumo.

O corpo foi encontrado numa estrada perto da cidade de Santa Paula, famosa pelas suas culturas de citrinos e que, desde segunda-feira, foi ameaçada por ventos fortes que alimentaram fogos e destruíram centenas de vivendas.

Enquanto o fogo continua a lavrar, as autoridades de saúde da região avisaram os seus habitantes acerca da má qualidade do ar e dos efeitos nefastos do fumo.

A região de Los Angeles pediu aos vizinhos para que não saiam de casa, enquanto as autoridades de Santa Barbara distribuíram 50 mil máscaras aos seus habitantes.

Desde segunda-feira, os incêndios destruíram 67,3 mil hectares, uma área maior que Chicago, 500 edifícios, obrigaram a encerrar dezenas de estradas e levaram à retirada de 200 mil pessoas, algumas das quais já voltaram às suas casas.

Nas últimas horas, os bombeiros conseguiram alguns avanços contra o fogo devido à diminuição da força dos ventos que esta semana chegaram a atingir 128 quilómetros por hora.