Pelo menos dois portugueses tiveram de abandonar a cidade canadiana de Fort McMurray, onde lavra um intenso incêndio, disse hoje à agência Lusa a cônsul-geral de Portugal em Vancouver.

Os dois portugueses estão agora “em segurança”, explicou Maria João Boavida, adiantando que a saída da cidade aconteceu de forma “ordenada e tranquila tanto quando foi possível”.

Até agora, o consulado "não foi contactado por cidadãos portugueses que necessitem de apoio consular, nem tem conhecimento de mais portugueses" que tivessem sido retirados da área afetada pelo incêndio.

O controlo do gigantesco incêndio que afeta a região da cidade canadiana petrolífera de Fort McMurray vai exigir “semanas e semanas de trabalho”, disse esta sexta-feira o diretor do serviço de incêndios da província de Alberta, Chad Morrisson.

Depois de uma semana de inferno, uma mudança do vento deixava antecipar uma melhoria da situação em Fort McMurray, onde foram destruídas mais de duas mil casas. Várias localidades foram evacuadas e 100 mil pessoas tiveram de ser retiradas da região.

Desde domingo, mais de mil quilómetros quadrados de floresta foram consumidos pelas chamas, o que correspondem a uma área equivalente a dez vezes a da cidade de Paris.

A população está a ser mobilizada para o sul do país, onde pode permanecer em segurança.

A primeira-ministra da província de Alberta, Rachel Notley, não tem previsões de quando é que as pessoas poerão regressar às suas casas, lamentando que o fogo continue fora de controlo.