Os saltinhos, palmas e voltas típicas das danças portuguesas já são parte importante da cultura do Maranhão, no nordeste do Brasil. Mais de 125 grupos apresentam-se em todo o Estado durante as festas dos santos populares e há até um concurso para eleger o melhor.

Tudo começou há 25 anos, quando uma portuguesa que morava no Maranhão ensinou os primeiros passos e formou um grupo. Dona Socorro já morreu, mas fez com que as danças portuguesas se tornassem uma tradição maranhense.

O trabalho para as apresentações em Junho começa oito meses antes.

"Nós estudamos um tema, desenvolvemos, criamos o figurino. É muito puxado, mas gratificante", conta Thiago Duarte, que há 16 anos faz parte do grupo Império de Lisboa, o atual campeão do Estado.

Os grupos têm, em média, 70 elementos. Mantém a música e os trajes típicos, mas misturam-nos com elementos da cultura brasileira.

São 5.800 km que separam Portugal e Maranhão. Uma distância que o Thiago espera ultrapassar um dia.

"Ainda não conseguimos chamar a atenção dos portugueses para o nosso movimento. E olha que se somarmos todos os grupos, veja a quantidade de gente que dá!", diz.