O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, pediu este domingo uma cimeira europeia urgente, após o naufrágio de uma embarcação que transportava imigrantes no Mediterrâneo, receando-se que 700 pessoas tenham morrido.

Renzi, que falava em conferência de imprensa, disse esperar que a reunião tenha lugar até ao final da semana. «Tem que ser uma prioridade», afirmou.

«Não estamos a falar de coisas banais, mas de vidas humanas», disse Renzi, considerando que o tráfico de pessoas é «um flagelo» para a Europa. 
 

Centenas de pessoas podem ter morrido este fim de semana no Mediterrâneo. Um barco com cerca de 700 pessoas a bordo terá virado e naufragado, segundo a Guarda Costeira Italiana. 

 Só 28 foram resgatadas com vida e 24 cadáveres foram retirados das águas do Mediterrâneo. Teme-se uma das «maiores catástrofes» dos últimos anos.

Cargueiro de bandeira portuguesa «King Jacob» está envolvido nas operações de busca, como confirma a Marinha Portuguesa e terá sido mesmo este a avisar as autoridades

 O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, está a estudar convocar uma reunião de emergência dos chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) após a tragédia. 

Donald Tusk revelou, na rede social Twitter, ter falado com o primeiro-ministro de Malta sobre o assunto e continuará a conversar com líderes europeus, com a Comissão Europeia e com outros organismos para «atenuar» situações como a vivida este domingo.
Uma decisão sobre a marcação de uma cimeira europeia dependerá do rumo das conversas a ter nesta fase, precisou o porta-voz do Conselho Europeu Preben Aamann, citado pela agência France-Presse.