Vários soldados da unidade da União Africana na Somália violaram mulheres e trocaram ajuda alimentar por sexo, denunciou a organização de direitos humanos Human Rights Watch num relatório divulgado esta segunda-feira.

«Os soldados da União Africana utilizaram várias técnicas, entre as quais ajuda humanitária, para conseguir convencer mulheres e raparigas mais novas e necessitadas a praticar atividades sexuais», refere o relatório.

«Além disso, [os soldados] também violaram e agrediram sexualmente mulheres que procuravam ajuda médica ou água nas bases da Amison [a unidade da União Africana na Somália]», acrescenta.