A Human Rights Watch  instou esta quarta-feira os governos dos Balcãs a garantirem a segurança dos jornalistas, depois de denunciar restrições à liberdade de imprensa. A organização denunciou ainda a impunidade dos autores de intimidações e ataques aos profissionais da Comunicação Social.

O apelo, dirigido em concreto aos governantes da Bósnia-Herzegovina, Kosovo, Montenegro e Sérvia, pedindo-lhes uma ação rápida para resolver os problemas, vem publicado num relatório da organização de defesa dos direitos humanos, conhecido hoje.

“Uma profissão difícil: liberdade de imprensa sob ataque”, é o título do documento que também insta a União Europeia a exigir que o respeito pela Liberdade de Imprensa seja um critério prioritário e crucial para avançar em direção à integração comunitária. Recorda, neste contexto, que a liberdade de expressão é um dos fundamentos essenciais de uma sociedade democrática.

A “escassa resposta estatal às ameaças e violência contra jornalistas” passa a mensagem de que essas ações não têm consequências em geral.


A organização recomenda levar a cabo investigações rápidas, exaustivas e imparciais, assim como condenar em público e de forma inequívoca os atos contra os jornalistas e dar os passos necessários para que os problemas sejam identificados.

O documento tem por base entrevistas com 86 jornalistas, editores e proprietários de meios de comunicação, que maioritariamente se dedicam a temas delicados como a corrupção, crimes de guerra, grupos religiosos radicais, o que implica as poderosas elites políticas e de negócios.

O relatório cita testemunhos de ameaças, incluindo de morte, violência e ataques a instalações de jornais, assim como de investigações inadequadas a respeito.

A HWR destaca que tais circunstâncias possam resultar no aumento da autocensura e criar um ambiente de impunidade.