Confiar o resgate de refugiados e migrantes à Líbia é estar a pôr vidas em risco. O aviso é da organização Human Rights Watch , que instou hoje a União Europeia a manter os dispositivos de salvamento no Mar Mediterrâneo.

É um erro grosseiro que os países da UE confiem a vida de quem necessita de ser resgatado às forças da Guarda Costeira da Líbia quando existem alternativas seguras".

A advertência surgiu pela voz de Judith Sunderland, diretora associada para a Europa e Ásia Central da organização de defesa dos direitos humanos.

A HRW defende que os países da UE "não podem entregar às forças líbias" as operações de resgate em águas internacionais, argumentando que a ideia pensada com o sucedido a 10 e 23 de maio último.

A propósito, e nesta que é a véspera do Dia Mundial do Refugiado, a ONU divulgou que, no ano passado, houve um recorde de pessoas deslocadas e refugiadas no mundo. O número é de fixar e de muito preocupar: 65,6 milhões de pessoas