Uma menina e um menino que nasceram, esta quarta-feira, no Hospital Santa Joana, em São Paulo, no Brasil, foram trocados minutos depois de nascerem. O hospital considera "impossível" que o incidente tenha acontecido, mas já iniciou um processo de investigação.

Victor Paulino, pai de uma das crianças, foi o primeiro a aperceber-se que a menina que a mulher tinha dada à luz estava diferente. Pediu à enfermeira para despir a criança e desde logo o "pânico" instalou-se na sala. A filha, Alice, tinha sido trocada por um menino.

«Ele viu que não se parecia com a nossa filha e suspeitou que a enfermeira tivesse trocado as pulseirinhas, visto que o número do quarto estava errado. O bebé estava com as roupas que levamos para a Alice, tudo cor-de-rosa. Quando a enfermeira tirou a roupa, vimos que era um menino», contou a mãe da menina, Ana Silveira, ao jornal Globo.



Uma familiar da outra mãe que tinha dado à luz um menino apercebeu-se da movimentação no quarto de Ana e foi verificar se a troca tinha sido com a sua família. Ao despirem a criança logo se aperceberam que realmente era Alice.
 

O bebé que recebemos com as roupinhas da Alice e suas pulseirinhas em meu nome!

Posted by Anaa Paulaa Silveiraa on Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Os bebés foram de novo trocados e entregue às famílias. Contudo, para não haver dúvidas foram realizados, esta quinta-feira, testes de ADN que devem ficar prontos dentro de 10 dias.

E a Alice q estava em outro quarto com as roupinhas do bebé menino e as pulseiras em nome da mãe dele q também estava desesperada!

Posted by Anaa Paulaa Silveiraa on Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Segundo os pais, a troca de bebés só poderá ter acontecido após os bebés saírem da sala de partos.

«Quando a enfermeira viu que era um menino, não mostrou estar surpresa, disse que poderia ter ocorrido algum erro de troca e foi-se embora. Veio um rapaz a desculpar-se pelo hospital, dizendo que nunca antes tinha acontecido e que iriam fazer uma reunião…Até agora ninguém explicou nada», contou Ana Silveira.

Os familiares já registaram a ocorrência e garantem que vão iniciar um processo contra o a maternidade.

O Hospital considera "impossível" que uma criança seja trocada e saia do hospital sem a presença da mãe biológica, uma vez que possui rígidas normas de segurança e tecnologia avançada de controlo materno. No entanto, já iniciou uma investigação.