Um tribunal egípcio condenou hoje o presidente deposto Hosni Mubarak a três anos de prisão por desvio de fundos públicos, três anos e meio depois da revolta popular que pôs fim a 30 anos de poder.

Os filhos Alaa e Gamal foram condenados, cada um, a quatro anos de cadeia, de acordo com a agência noticiosa francesa AFP.

Mubarak, de 85 anos, foi julgado e condenado por um tribunal de primeira instância, no Cairo, por corrupção, depois de ter sido acusado de ter desviado, com Gamal e Alaa, 125 milhões de libras egípcias (13,5 milhões de euros) do orçamento do palácio presidencial.