A Amnistia Internacional (AI) acusou este domingo as autoridades do Egito de encobrirem a morte de manifestantes durante as recentes celebrações do quarto aniversário da «Revolução de 25 de Janeiro».

«As autoridades egípcias estão a tentar encobrir o assassínio de mais de duas dezenas de pessoas durante os protestos comemorativos da revolta popular», a qual resultou na queda do antigo presidente Hosni Mubarak em 2011, denunciou a organização de defesa dos direitos humanos em comunicado.

Segundo relatos recolhidos pela AI, as forças de segurança ameaçaram prender as testemunhas e detiveram dois jornalistas pela cobertura das manifestações.