O homem detido na terça-feira pela polícia japonesa, que encontrou nove corpos desmembrados num apartamento perto de Tóquio, confessou ter matado todas as vítimas num período de dois meses, foi hoje noticiado.

O suspeito de 27 anos afirmou que entrava em contacto com as futuras vítimas através da rede social Twitter, que matava "no mesmo dia" do primeiro encontro, de acordo com fontes policiais citadas por vários meios de comunicação japoneses.

A polícia japonesa afirmou que Takahiro Shirashi estava a ser ouvido pelos procuradores de Tóquio, antes de ser formalmente acusado.

A polícia japonesa encontrou partes de pelo menos nove corpos num apartamento em Zama, a sul de Tóquio, e deteve o inquilino pela eventual ligação ao desaparecimento de uma jovem.

A descoberta foi feita esta terça-feira numa casa localizada na prefeitura de Kanagawa, no decurso de uma investigação relativa ao desaparecimento de uma jovem de 23 anos oriunda de Tóquio, indicaram fontes policiais à emissora estatal NHK.

O suspeito terá levado a jovem a sua casa na segunda-feira. Foi uma câmara de videovigilância que a captou a passear com o suspeito perto do apartamento.

As partes dos corpos, incluindo duas cabeças, encontravam-se em caixas térmicas.

As autoridades japonesas vão agora realizar testes de ADN para identificar todas as vítimas.