Foi encontrado esta segunda-feira um barco de madeira , no rio Hamble, no sul de Inglaterra, que se pensa ser um dos grandes navios pertencentes à frota de Henrique V. A descoberta foi feira por um grupo de estudo do património histórico.
 
Os especialistas em História de Inglaterra acreditam que o barco que se encontra naufragado na lama do rio Hamble, perto de Southampton, é o famoso “Holigost”.
 

Como parte importante da máquina de guerra de Henrique V, o navio deteve um papel primordial em duas batalhas marítimas, que lhe permitiu conquistar territórios na França, no século 15.
 

 “Investigar um navio deste período é extremamente excitante. Existe a possibilidade de serem descobertas revelações fascinantes nos próximos meses e anos”.

 
O anúncio de Duncan Wilson, diretor da "Inglaterra Histórica", surge a duas semanas de serem comemorados os 600 anos da Batalha de Agincourt.
 
A 25 de Outubro de 1415, Henrique conduziu as suas tropas para uma grande vitória inglesa na Guerra dos 100 anos, perto da zona de Azincourt, no norte de França – uma batalha imortalizada por William Shakespeare em Henrique V.

O navio de 600 anos de idade foi descoberto ao lado da bandeira do rei, “The Graçe Dieu" – encontrada na década de 1930 - por Ian Friel, depois de examinar fotografias aéreas do local onde ocorreu a batalha. O historiador esteve à conversa com a BBC:

“Existe uma forte possibilidade de os restos deste navio ainda se encontrarem no rio Hamble”.

A comissão do património histórico inglês vai conduzir um levantamento por sonar, bem como amostragens da madeira, “para confirmar se o navio é realmente o Holigost”, acrescentou o especialista.

O “Holigost” entrou para a frota real a 17 de novembro de 1415, tendo sofrido sérios danos na batalha de Harfleur, em 1416. 

Foi reconstruído a partir de um navio espanhol capturado, o Santa Clara, e foi nomeado para refletir a devoção pessoal de Henry V à Santíssima Trindade.

Foi deliberadamente ancorado após 11 anos de serviço, de acordo com Friel. 



Um dos navios de guerra de Henrique VIII, o Mary Rose, que afundou em 1545, foi recuperada em 1982, numa façanha de arqueologia marítima que forneceu uma riqueza de detalhes sobre a vida na época dos Tudor.

O navio deverá ser exibido seca no Museu Rose Mary em Portsmouth após o trabalho meticuloso de conservação e caro para preservar seu casco de madeira.