Um helicóptero holandês ao serviço das Nações Unidas despenhou-se perto de Gao, no Mali, provocando a morte dos dois ocupantes, como confirmou o ministro da Defesa holandês. O primeiro-ministro da Holanda também já «lamentou profundamente» estas mortes.

O General Chefe das Forças Armadas, Tom Middendorp , acrescentou, em declarações emitidas na terça-feira e que a BBC cita, que «tudo aponta que a queda do aparelho foi um acidente», numa tentativa falhada de fazer uma aterragem forçada, mas o caso está sob investigação.

Um dos homens morreu no local e o outro não resistiu aos ferimentos e o óbito foi declarado já no hospital de campanha francês.

Os dois militares holandeses pertenciam à Minusma, a força das Nações Unidas no Mali, criada desde o apelo feito pelas autoridades malaias em 2013, de modo a controlar a onda de violência civil provocada pela insurgência de movimentos islâmicos extremistas.

A Holanda contribui com 450 militares para esta força composta por 11 mil capacetes azuis.

Alguns militares portugueses também estão no país e, há pouco tempo, escaparam a um atentado quando comiam num restaurante. O ministro da Defesa cancelou a sua visita ao país, na semana passada, alegando razões de segurança.