Mais de uma centena de pessoas, entre os três e os 82 anos, foram alegadamente infetadas com o vírus HIV por um homem que se fez passar por médico, numa aldeia de apenas 800 habitantes no Camboja. Os media locais falam, no entanto, em 300 casos de contaminação. Entre as vítimas encontram-se monges budistas. Pelo menos dez pessoas já morreram com sida, segundo apurou a AP.

Yem Chhrin, o falso médico de 53 anos começou a ser julgado esta terça-feira. O homem foi detido em dezembro e enfrenta várias acusações, entre elas homicídio, pela contaminação de pessoas, através de agulhas não esterilizadas, e prática de medicina sem habilitação. Se for condenado, Yem Chhrin pode vir a passar o resto da vida na prisão.