Mais de 200 compositores suíços participaram num concurso público para criar um novo hino nacional, mais empolgante, referem os organizadores que querem substituir uma melodia que consideram demasiado tradicional e solene. Das 208 propostas a concurso, 129 são em alemão, 60 em francês, sete em italiano e 10 em Romantsch, uma língua minoritária falada no sudeste da Suíça, refere o jornal inglês «The Guardian».

O concurso, que é promovido pela centenária Sociedade Suíça para o Interesse Público, pretende substituir o «Salmo Suíço» composto, em 1841, pelo monge suíço Alberich Zwyssig.

Mas qual é o grande problema com o hino? Para o presidente do júri do concurso, Pierre Kohler, a razão é bastante simples: «Ninguém sabe a letra», diz à AFP. «Quem diga que sabe estará a mentir, ou então sabemos as primeiras palavras e depois cantamos la, la, la», acrescentou.

Para além das razões apontadas por Kohler há um desfasamento entre aquilo que é a sociedade contemporânea e a letra do hino, defendem alguns. «O autor tinha em mente um salmo, e não um hino nacional», afirma Daniel Gerber, presidente da Sociedade Suíça para o Interesse Público.

Aos críticos do hino atual opõem-se os defensores do salmo, que dão o exemplo de outros países que não mudaram os hinos, apesar do pouco sentido que as letras fazem.

O «Salmo Suíço» foi criado em meados do século XIX, mas não se tornou logo o hino oficial do país. Quando a atual Confederação Helvética foi fundada, em 1848, a música nacional, com o nome «Quando nos chamas, Pátria», partilhava a melodia do hino britânico e, para acabar com a coincidência, foi feita pressão para que o salmo fosse adotado. Mas só em 1981 é que passou a ser oficial, embora já antes fosse cantado na generalidade das ocasiões.

Agora, é o «Salmo Suíço» que está em risco. A 1 de Janeiro foi lançado um concurso aberto a todos para encontrar a nova melodia. O objetivo é apresentar até 2016 uma proposta legislativa ao governo para depois ser sujeita a referendo.

Se a proposta passar, o jogo frente à Argentina foi, provavelmente, a última vez em que se ouviu o hino suíço num Mundial de futebol. Caso os helvéticos consigam a qualificação para a próxima fase final, poderá ser outra a música que vai ecoar nos estádios da Rússia.