Uma auditoria da administração norte-americana condenou, esta quarta-feira, a utilização por Hillary Clinton, quando era secretária de Estado, de um servidor e de uma conta de correio eletrónico privados para enviar emails.

Um relatório divulgado pelo inspetor-geral do Departamento de Estado, um órgão administrativo independente, assinala “falhas de longa data e sistemáticas ligadas às comunicações e registos eletrónicos” na altura em que Hillary Clinton estava à frente da diplomacia norte-americana (2009-2013), segundo as agências.

Num documento bastante pormenorizado sobre as práticas em termos de comunicações por correio eletrónico de todos os secretários de Estado, desde Colin Powell até John Kerry, o inspetor-geral sublinha que as diretivas do Departamento de Estado se tornaram “bastante mais precisas e sofisticadas” sob o mandato de Clinton.