A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton agradeceu hoje a sua nomeação histórica como candidata à Presidência dos EUA pelo Partido Democrata enquanto o marido, Bill Clinton, a considerou uma "líder natural".

Hillary Clinton, de 68 anos, tornou-se na terça-feira na primeira mulher a ser nomeada candidata à Casa Branca por um grande partido norte-americano e fez uma intervenção surpresa na convenção nacional do Partido Democrata, horas depois, através de videoconferência, para agradecer aos apoiantes e dirigir-se às jovens do país.

Estou tão feliz. Que dia e noite extraordinários. Que honra incrível vocês me deram. E ainda não acredito que acabámos de abrir uma enorme fenda nesse telhado de vidro. Graças a vocês e a todos os que lutaram para que isto fosse possível. Esta é, na verdade, a vossa vitória. Esta é, na verdade, a vossa noite"

Na mensagem dirigida aos delegados e apoiantes, Hillary não esqueceu o facto de tratar-se de uma nomeação histórica.

E se há meninas por aí que ficaram acordadas até tarde para ver, deixem-me dizer-vos: eu posso vir a tornar-me a primeira mulher presidente, mas uma de vocês será a próxima. Obrigada a todos, mal posso esperar para me juntar a vocês em Filadélfia."

Outro dos momentos da noite foi a intervenção do ex-Presidente norte-americano e marido de Hillary Clinton, Bill Clinton, que levou os presentes ao rubro com as palavras dirigidas à sua "melhor amiga" e algumas confidências do casal como as duas vezes que Hillary recusou o seu pedido de casamento.

Casei com a minha melhor amiga. Continuava em extâse mais de quatro anos depois de andar à volta dela por ser tão esperta, forte, carinhosa e dedicada. E só esperava que ter-me escolhido e rejeitado o meu conselho para seguir a própria carreira fosse uma decisão que ela nunca lamentaria."

Bill Clinton disse que Hillary é "uma líder natural" e dirigiu-se aos latinos e muçulmanos, alvos do discurso do candidato do Partido Republicano à Casa Branca nas eleições de 8 de novembro, Donald Trump.

A Hillary vai tornar-nos mais fortes juntos. Se são muçulmanos e amam os Estados Unidos e a liberdade e odeiam o terror fiquem connosco e ajudem-nos a ganhar."

Mas o apelo à união dos norte-americanos não se sentiu entre centenas de delegados e apoiantes do senador norte-americano Bernie Sanders, que fizeram um protesto pacífico ocupando as tendas da imprensa na convenção.

Minutos depois da nomeação de Clinton como candidata do partido, os apoiantes de Sanders, que disputou as primárias do partido com a ex-secretária de Estado, sentaram-se nas tendas onde milhares de jornalistas seguem os trabalhos da convenção, relata a agência de notícias espanhola EFE.

"O meu partido traiu-me. Penso que Clinton ganhou a fazer batota. Sou professora e se os meus alunos fazem batota, chumbam nos exames. Era a vez dela e o Partido Democrata arranjou tudo para ser ela a escolhida", considerou Nadine Gallagher, que disse que em novembro não votará em Clinton, segundo a agência EFE.