Um membro do júri do prémio Nobel da Física lamentou, esta quarta-feira, que o laboratório do CERN tenha sido esquecido, quando foi recompensada a descoberta do bosão de Higgs.

«Penso que foi um erro», disse à agência noticiosa francesa AFP Anders Barany, membro da Academia Real das Ciências, sobre a atribuição, na terça-feira, deste prémio ao britânico Peter Higgs e ao belga François Englert.

A partir de 1964, estes dois cientistas desenvolveram as bases teóricas que levaram à descoberta do bosão, em 2012, pelo laboratório suíço.

Centenas de físicos contribuíram para estes trabalhos, desenvolvidos na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (conhecida sob o acrónimo CERN).

«Penso que estes investigadores experimentais fizeram um trabalho incrível e fantástico e deviam ter sido recompensados», considerou Barany.

A contribuição essencial do CERN foi mencionada pelo júri, disse o físico sueco. «Isto nunca tinha sido feito antes. É um bom reconhecimento, mas não penso que seja suficiente», sublinhou.

O prémio da Paz é o único dos Nobel que é atribuído a organizações. Nas ciências, a tradição é recompensar de um a três cientistas por ano.