Nelson Mandela deixou 3,1 milhões de euros em património para a família, ex-funcionários, várias escolas locais e para o Congresso Nacional Africano, de acordo com a leitura do seu testamento, esta segunda-feira, revelada pela Reuters.

O vice-presidente do Supremo Tribunal Dikgang Moseneke afirmou aos jornalistas que a divisão do património foi aceite pela família, sem contestações.

A terceira mulher, Graça Machel, pode levantar a suas reivindicações face ao testemunho, revelou ainda Moseneke.

O vice-presidente afirmou que os bens seriam divididos em três partes criadas por Mandela, incluindo uma tranche destinada aos mais de 30 filhos, netos e bisnetos.

Com a leitura do testamento era esperada mais uma «guerra» entre a família de Mandela, mas até agora tal não se verificou.