O ministro brasileiro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, pediu esta quinta-feira a demissão, um dia após terem sido divulgadas declarações do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, onde este acusa o governante de ter recebido subornos.

A informação foi confirmada à agência Lusa pela Presidência brasileira, de acordo com a qual os motivos para a saída ainda não foram expostos.

Na delação premiada (prestação de informações em troca de eventual redução de pena), o ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras) afirmou que transferiu para Henrique Alves 1,55 milhões de reais (397,5 mil euros) em subornos entre 2008 e 2014.

Leia também: Michel Temer refuta acusações de pagamento de subornos

Em apenas um mês de governo do presidente interino Michel Temer, Henrique Alves é o terceiro ministro a pedir demissão por conta da delação de Sérgio Machado. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) deixou o Ministério do Planeamento e Fabiano Silveira deixou a pasta da Transparência.

Em março deste ano, o ministro já tinha pedido exoneração do cargo por considerar que o “diálogo” com o governo de Dilma Rousseff se tinha “exaurido”, na mesma época em que o PMDB anunciou rompimento com o PT.

Sobre a citação na delação de Sérgio Machado, o agora ex-ministro afirmou que todas as doações para as campanhas dele foram oficiais. Disse, ainda, que as prestações de contas foram aprovadas e estão disponíveis no Tribunal Superior Eleitoral.