Oposição venezuelana volta a eleger Capriles para a presidência

Governador de Miranda foi derrotado por Chávez nas eleições de outubro

Por: Redação    |   6 de Março de 2013 às 23:55
Os partidos da oposição na Venezuela elegeram unanimemente Henrique Capriles com o seu candidato nas eleições presidenciais que vão realizar-se decorrendo da morte de Hugo Chávez.

As eleições presidenciais têm de realizar-se, de acordo com a constituição venezuelana, nos próximos 30 dias.

Henrique Capriles tem 40 anos e foi o candidato derrotado por Hugo Chávez nas eleições de outubro do ano passado, tendo o atual governador do estado de Miranda obtido 44% da votação.

O adversário de Capriles nas eleições presidenciais deverá ser Nicolás Maduro, o vice-presidente de Chávez, que ocupa agora o posto de presidente interino.

Foi Maduro quem anunciou a morte de Hugo Chávez, nesta terça-feira. O corpo do falecido presidente foi transportado nesta quarta-feira para a Academia Militar da Venezuela, após um cortejo de sete horas acompanhado por milhares de pessoas, que partiu do Hospital Militar, em Caracas.

Chávez vai ser velado até sexta-feira, dia em que se realizará o funeral, onde estarão vários chefes de Estado e onde Portugal será representado pelo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas.

O governo da Venezuela decretou sete dias de luto nacional pela morte do presidente Hugo Chávez. E decretou também, entretanto, a proibição de venda de álcool e do porte de armas durante este período.
Partilhar
FOTOGALERIA:
Milhares de pessoas no cortejo fúnebre de Hugo Chávez

Henrique Capriles (Carlos Garcia Rawlins/Reuters) EM CIMA: Henrique Capriles (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)
COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista