O grupo extremista Estado Islâmico (EI) confirmou, este domingo, através da sua rádio que executou o refém japonês Haruna Yukawa, um dia depois de ter divulgado um vídeo a anunciar a execução.

«O Estado Islâmico cumpriu a sua ameaça de execução (...) e executou o refém japonês Haruna Yukawa após ter expirado o prazo dado ao Japão», anunciou a rádio do grupo, Al-Bayan, através do YouTube.

«O segundo refém (Kenji Goto) apela aos seus familiares para pressionarem o governo para a libertação da nossa irmã Sajida al-Rishawi, detida na prisão dos opressores na Jordânia, em troca da sua libertação», refere a mensagem.

A iraquiana Sajida al-Rishawi está presa e foi condenada à morte na Jordânia pelo envolvimento num triplo atentando bombista perpetrado em Amã em novembro de 2005 e que provocou a morte de 60 pessoas.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, considerou hoje «ignóbil e imperdoável» a morte do refém e exigiu a libertação imediata de Kenji Goto.