O cyberbullyng, forma de bullyng que tem lugar na Internet através de insultos e constantes provocações, está a gerar um enorme debate no Reino Unido, depois do suicídio de uma adolescente de 14 anos.

O primeiro-ministro David Cameron fez um apelo radical e pede aos britânicos boicotem os endereços electrónicos que classifica de «vis», enquanto o pai da vítima quer que os proprietários do site ask.fm sejam acusados de homicídio involuntário.

A foto com que Hannah Smith se apresentou na Internet foi rejeitada por anónimos que, repetidamente, lhe disseram para se matar. E foi o que ela fez. Suicidou-se na sexta-feira passada e foi encontrada pela irmã mais velha, enforcada no quarto.

Para trás ficavam semanas de insultos à jovem, através do site ask.fm, baseado na Letónia. Uma rede social com 60 milhões de utilizadores, metade destes menores, segundo o jornal The Guardian.

Segundo uma amiga, ouvida pela Sky News, Hannah tentou durante semanas livrar-se das mensagens insultuosas, mas o assédio não parou.

O pai, David Smith, exige justiça. Hannah terá feito queixas ao ask.fm sobre os insultos que recebia. Os proprietários da rede asseguram que todas as denúncias são estudadas.

De acordo com a imprensa britânica, diariamente chegam 200 mil novos utilizadores ao ask.fm.