O grupo Anonymous invadiu 14 sites do Partido Nacional neozelandês, partido que governa o país, incluindo o site do primeiro-ministro John Key. A invasão surgiu como protesto conta os planos do governo de aumentar a vigilância sobre a população.

O grupo admitiu, num vídeo do Youtube, ter sido o causador do «sequestro» dos sites e anunciou ainda que os manterá assim enquanto o governo não retirar o projeto e fizer um pedido de desculpa aos cidadãos, informou imprensa local na terça-feira.

Bill English, ministro das finanças, acredita que a ação foi uma forma legítima de manifestação por não se tratarem de páginas importantes, de acordo com o jornal «The New Zealand Herald».

O programador alemão Kim Dotcom pediu aos Anonymous que suspendam os ataques na sua conta do Twitter. «Querido Anonymous NZ, fazer hacking aos sites do Partido Nacional só está a fazer com que John Key continue com a aprovação do projeto lei de controlo dos cidadãos».