O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai realizar em 09 e 26 de setembro novas votações sobre os candidatos ao cargo de secretário-geral da ONU, anunciou hoje a presidência rotativa do conselho, a cargo da Nova Zelândia.

O representante permanente da Nova Zelândia no conselho de Segurança, Gerard van Bohemen, anunciou também que ainda outra votação será realizada na primeira semana de outubro, em que os votos dos membros permanentes do conselho, que têm poder de veto sobre os candidatos, serão destacados.

O ex-primeiro-ministo português e ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, venceu as três primeiras votações para o cargo, que aconteceram em 21 de julho, 05 de agosto e 29 de Agosto.

Durante as votações, cada um dos 15 membros do conselho indicou se "encoraja", "desencoraja" ou "não tem opinião" sobre os candidatos.

Na votação de 29 de agosto Guterres teve 11 votos "encoraja", três "desencoraja" - o seu pior resultado de todas as votações - e um "sem opinião".

Na primeira votação (21 de julho), Guterres recebeu 12 votos de encorajamento e nenhum de desencorajamento. Na segunda (05 de agosto), teve 11 votos "encoraja", dois votos "não tem opinião" e dois "desencoraja".

Neste momento, o lugar de secretário-geral da ONU é disputado por 10 candidatos, metade dos quais mulheres.

O segundo lugar tem passado entre vários candidatos da Europa de Leste. O cargo é habitualmente atribuído a candidatos de diferentes áreas geográficas e um grupo de países, incluindo a Rússia, tem defendido que chegou a hora de alguém desta região liderar a ONU.

Na primeira votação, destacou-se o ex-Presidente esloveno Danilo Turk; subiu depois Vuk Jeremic, da Sérvia; e, na última ronda, o lugar foi para o ministro dos Negócios Estrangeiros eslovaco, Miroslav Lajcak.

Apesar da pressão internacional para escolher pela primeira vez uma mulher para o cargo, posição que foi apoiada pelo atual secretário-geral, Ban Ki-moon, ainda nenhuma das candidatas conseguiu melhor do que um terceiro lugar nas votações.

Assim que um candidato reunir nove votos entre os 15 países membros e aprovação de todos os membros permanentes - China, França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos - o conselho recomendará o seu nome para aprovação pela Assembleia-Geral da ONU, que reúne representantes de 193 países.

A organização espera ter encontrado o sucessor de Ban Ki-moon, que termina o seu segundo mandato no final do ano, durante o outono.

Há 10 anos, Ban Ki-moon foi escolhido depois de quatro votações.