Um tribunal chinês condenou hoje a seis anos de prisão Guo Feixiong, um dos defensores dos direitos humanos mais conhecidos do sul da China, que ajudou a organizar várias manifestações a favor da liberdade de imprensa.

Segundo um comunicado emitido pela Amnistia Internacional (AI), que retrata a condenação como o "mais recente caso de perseguição politica no país", Guo foi declarado culpado de "reunir pessoas para perturbar a ordem pública" e "provocar disputas e problemas".

No mesmo dia, dois ativistas próximos de Guo, Liu Yandong, 37 anos, e Sun Desheng, 32, foram sentenciados com três e dois anos e meio de prisão, respetivamente, pelos mesmos crimes.