O corpo de «Nino» Vieira morto há uma semana durante um ataque à sua residência em Bissau, capital da Guiné-Bissau, é esta segunda-feira transportado para o Parlamento do país, onde ficará em câmara ardente, escreve a Lusa.

Segundo o programa da comissão nacional organizadora das cerimónias fúnebres do presidente guineense, o corpo chegará ao Palácio Colinas de Boé cerca das 19:00 (mesma hora de Lisboa), onde ficará em câmara ardente até às 06:30 de terça-feira.

Guiné: general Tagmé Na Waié foi sepultado

Domingo, cerca de 40 pessoas estavam no velório de «Nino» Vieira em casa da sua mãe, onde residem as irmãs, e na casa da família da primeira-dama Isabel Vieira, apenas duas pessoas se encontravam sentadas no alpendre.

O presidente «Nino» Vieira foi morto há uma semana durante um ataque perpetrado por um grupo de militares contra a sua residência em Bissau, horas depois de o chefe das Forças Armadas, Tagmé Na Waié, ter sido morto num ataque à bomba.

«Tentativa de decapitar o Estado guineense»

Os ataques considerados, pelo ministro da Defesa do país, Artur Silva, como uma «tentativa de decapitar o Estado guineense», estão a ser investigados por duas comissões de inquérito.

A comissão de inquérito militar, criada pela comissão militar que assumiu a chefia das forças armadas do país, anunciou a detenção de três suspeitos de envolvimento na morte de Tagmé Na Waié.

Já a comissão de inquérito criada pelo Conselho de Ministros há uma semana, na sequência dos assassínios, ainda não começou a trabalhar. Tagmé Na Waié foi sepultado domingo no cemitério municipal de Bissau.

O funeral de «Nino» Vieira realiza-se terça-feira e o corpo será sepultado também no cemitério da capital guineense.