Pelo menos 35 rebeldes e 17 elementos das forças do regime morreram nas últimas horas em combates no sudoeste da cidade de Alepo, onde têm decorrido avanços e recuos militares, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, noticia a Lusa.

Os opositores ao regime lançaram no domingo uma operação para garantir a segurança do corredor aberto na parte sul de Alepo, conseguindo dominar algumas posições estratégicas, como uma fábrica de cimento, mas as tropas governamentais acabaram por recuperar o controlo desses pontos.

A abertura do corredor permitiu aos rebeldes romper o cerco aos bairros que dominam e, ao mesmo tempo, cortar o acesso das autoridades aos distritos ocidentais, para o seu abastecimento, o que demonstra a importância estratégica daquela zona.

Estas mortes sucedem-se a outras, que já tinha sido notificadas hoje pelo Observatório, na sequência de um atentado suicida perpetrado esta noite num posto fronteiriço entre a Síria e a Turquia.

O suicida fez explodir um cinto de explosivos que levava preso ao corpo num autocarro em que viajavam os rebeldes, à passagem em Atma, e provocou a morte de pelo menos 15 combatentes da oposição síria e dois militares turcos. Um número que pode aumentar porque foram também reportados mais de 25 feridos.