Pelo menos uma pessoa morreu e há registo de duas que desapareceram na ilha francesa de Guadalupe, nas Antilhas francesas, atingida pela força devastadora do furacão Maria, cuja força tem vindo a oscilar entre os níveis quatro e cinco, o mais altos da escala de Saffir-Simpson, que mede a intensidade dos ventos.

Em Guadalupe, a administração territorial já comunicou a morte de uma pessoa, atingida de manhã na cabeça por uma árvore que caiu.

Não respeitou os conselhos para ficar em casa", refere o balanço provisório da prefeitura de Guadalupe, citado pela página na internet da estação televisiva BFMTV.

As autoridades francesas da ilha referem ainda que dois cidadãos desapareceram no mar, a bordo de um barco, ao largo da ilha de Désirade

Todas as redes viárias do arquipélago estão obstruídas pela queda de ramos ou de árvores", salienta a prefeitura de Guadalupe.

Falta de comunicações

Com o furacão Maria a afastar-se agora de Guadalupe, seguindo a sua rota rumo a outras ilhas das Caraíbas e devendo chegar a Porto Rico na quarta-feira, há ainda que fazer a contabilidade final dos estragos noutras pequenas ilhas francesas, também elas apanhadas, tal como aconteceu horas antes com Dominica.

Falando do balanço material, há muitas, muitas inundações, casas submersas, porque o ciclone trouxe muita chuva", referiu o deputado francês Olivier Serva, falando à BFMTV, que alertou, contudo, que "não há notícias das ilhas mais atingidas como Saintes, Désirade, Maria-Galante. Esperamos que as baixas humanas não aumentem".

Logo de manhã - Guadalupe tem um diferença de menos cinco horas do que Lisboa - a prefeitura francesa usou a sua página na rede Twitter para lançar apelos à população e mostrar alguns pequenos vídeos da força dos ventos do furacão Maria, que têm chegado a atingir os 260 quilómetros por hora.

Também através do Twitter, outros utilizadores têm colocado imagens da força dos ventos.

Porto Rico à espera

Dias depois da destruição causada pelo Irma, a preocupação nas Caraíbas é agora o furacão Maria, que teima em não perder força e se aproxima, caso a sua rota se mantenha, das ilhas Virgens e do território de administração norte-americana, Porto Rico.

Além dos avisos dos meteorologistas do NHC, o Centro Nacional de Furacões norte-americano, a administração Trump chancelou a declaração de estado de emergência em Porto Rico, onde se prevê que a tempestade chegue na quarta-feira.

Um porta-voz do NHC prevê que o Maria seja o furacão mais forte que irá atingir Porto Rico nos últimos 85 anos, caso se mantenha com uma intensidade de nível cinco.

Em Porto Rico, o governador Ricardo Rossello declarou terem sido construídos 450 abrigos que poderão albergar entre 68 mil a 120 mil pessoas.

Os meteorologistas esperam chuvadas até 48 centímetros por metro quadrado. O NHC refere mesmo o perigo de "marés de perigosas tempestades" e "vagas destruidoras" com alturas que podem variar entre 1,8 e 2,7 metros.