A prisão de Korydallos, nos subúrbios de Atenas, a capital grega, foi alvo de um motim fatal este domingo: dois presos morreram e 21 ficaram feridos, oito deles com gravidade.

O confronto entre dois grupos de reclusos, de nacionalidades albanesa e paquistanesa resultou na morte de dois paquistaneses, segundo as autoridades judiciais do país, que são citadas pela AP.

Durante a luta, que começou logo depois do jantar, na ala C – onde ficam os reclusos estrangeiros - os presos recorreram a facas, utilizando-as como armas.

Os feridos foram transportados para o hospital e dois deles estão em estado crítico, segundo um funcionário do estabelecimento comercial, que quis preservar o anonimato.

A prisão de Koryallos é a maior da Grécia e tem mais de 2 mil reclusos, espalhados por seis alas. Nos últimos tempos, tem sido palco de vários motins, com os presos a protestarem contra a falta de condições. Houve, até, várias tentativas de fuga, duas delas bem sucedidas e por helicóptero. Um dos foragidos ainda se encontra a monte.

No ano passado, alguns dos prisioneiros, incluindo terroristas e outros criminosos perigosos foram transferidos para uma nova prisão de segurança máxima no centro da Grécia, longe dos centros urbanos e com maiores limitações nas visitas. Só que o atual governo, liderado pelo Syriza, decidiu encerrar aquela prisão num dos seus primeiros atos legislativos.

Espera-se, por isso, que muitos dos reclusos sejam transferidos, de volta, para Korydallos, onde a falta de condições está espelhada, também, nos recursos humanos escassos e na dificuldade de controlar os presos, segundo a AP.
A Amnistia Internacional tem, de resto, alertado para as más condições do estabelecimento prisional.