Notícia atualizada

O casal que alegadamente raptou a menina de pele branca, olhos claros e cabelos loiros que foi encontrada num acampamento cigano está esta segunda-feira a ser ouvido em tribunal.

As análises ao ADN da criança e do casal já revelaram que não há laços de sangue entre os três, mas isso não reduz as dúvidas e o mistério que cercam a vida desta menina de quatro anos encontrada durante uma operação antidroga à casa onde vivia, na Grécia.

O «Anjo Branco» como já é conhecida na imprensa e que responde por «Maria» está entregue aos cuidados de um centro grego. O diretor conta que a menina chegou suja e assustada, mas que já está bem. O «Daily Mail» adianta que a criança teve alta hospitalar no domingo.

As autoridades já receberam oito mil chamadas com pistas sobre a criança, do Reino Unido ao Canadá, Estados Unidos, Suécia.

Enquanto o casal Hristos Salis, 39, and Eleftheria Dimopoulou, 40 anos, não explicam à polícia a verdadeira história, a família faz, na praça pública, a sua defesa, libertando na comunicação social vídeos da menina dançando ao estilo cigano, de modo a contrariar as acusações de que Maria era explorada e usada para pedir nas ruas.

O «Daily Mail» lançou um vídeo exclusivo da menina a dançar.



Também o «The Mirror», citando a «Alpha News» revela um vídeo que aparenta ser de Maria ainda bebé.



A Sky News acrescenta os esforços da comunidade cigana de Larissa para limpar a imagem. «Não somos raptores», nem traficantes de crianças, afirma o patricarca da comunidade.

A ITV recuperou até a história de Ben, um menino desaparecido numa ilha grega há mais de 20 anos e que a mãe sempre desconfiou ter sido raptado pela comunidade cigana local, mas, à Sky News, a polícia já descartou a relação entre os dois casos.

A comunidade cigana também receia uma atitude xenófoba por parte da população grega, já que a crise económica que o país atravessa tem reduzido as vendas nas feiras e os ciganos são acusados de furto e mendicidade.