Depois de muitas visitas ao hospital, a única solução para acabar com as dores de Rebecca Oldman, uma neo-zelandesa de 25 anos, parecia ser retirar os ovários.

A jovem fez análises por duas vezes, radiografias e seis testes de gravidez que não explicaram por que razão Rebecca aqueles dores.

Afinal, a explicação era mais simples: estava grávida de 32 semanas, uma certeza que só chegou quando foi internada para retirar os ovários. Oldman acabou por entrar no hospital para retirar os ovários, mas voltou para casa com um bebé nos braços. E algumas dores. Outras dores.

Rebecca Oldman deu à luz um rapaz, após cesariana de urgência. Imagina-se a surpresa da mulher, já na sala de operações, e que é acordada para lhe dizerem que afinal estava grávida.

James juntou-se a outros dois irmãos. A mãe já estava conformada de que não ia ter mais filhos.

O «New Zealand Herald» avança com a possível explicação. As dores que a mãe sentia deviam-se ao facto de James ser muito pequeno e estar alojado junto às costas. Uma situação rara que ocorre apenas a cada 500 gravidezes.

Ainda assim, o hospital abriu um inquérito para perceber como é que a gravidez escapou ao olho clínico.