A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição do país, acusou esta terça-feira alguns países de apoiarem «o belicismo de Estado», alegadamente seguido pelo Governo moçambicano para resolver a crise política e militar no país.

Moçambique vive sob a ameaça de uma nova guerra devido a confrontos entre o exército moçambicano e os ex-guerrilheiros da Renamo no centro do país, bem como ataques a escoltas militares que garantem a circulação na principal estrada do país, atribuídos a homens armados do movimento.

Em conferência de imprensa, em Maputo, o porta-voz da Renamo, Fernando Mazanga, acusou alguns países de apoiarem o «belicismo de Estado» em que alegadamente o Governo moçambicano aposta para resolver a crise política e militar no país.