O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, admitiu ter subestimado o grupo radical islâmico Boko Haram, que há seis anos realiza ataques mortíferos sobretudo no nordeste do seu país, numa entrevista divulgada este domingo.

«Provavelmente, no início (da insurreição do grupo) nós – quero dizer a minha equipa e eu próprio – subestimámos as capacidades do Boko Haram», declarou Jonathan ao diário privado nigeriano «This Day».

«Muitos responsáveis da segurança fizeram declarações» minimizando o Boko Haram, «isso mostra que eles subestimaram as suas capacidades», adiantou Jonathan, candidato às presidenciais de 28 de março, que decorrem ao mesmo tempo que as eleições legislativas.