A Turquia pediu aos Estados Unidos que detenha Fethullah Gulen por “ter ordenado” a alegada tentativa de golpe de Estado de 15 de julho para derrubar o Governo de Recep Erdogan. A noticia está a ser avançada esta terça-feira pela imprensa estatal turca.

Segundo a agência noticiosa Anadolu, o pedido do Ministério da Justiça turco às autoridades norte-americanas refere que Gulen é acusado de “ordenar e comandar a tentativa de golpe de Estado”.

A Anadolu, em cujo despacho não fala em extradição, lembra que se trata da primeira vez que a Turquia pede formalmente aos Estados Unidos para deter Gulen, que vive um exílio por si próprio imposto na Pensilvânia

A tentativa de golpe de Estado levada a cabo a 15 de julho provocou mais de 240 mortos e mais de 2000 feridos.

Desde a primeira hora, Erdogan acusou o clérigo Fethullah Gulen, radicado nos Estados Unidos, de ser o inspirador da intentona. 

Na sequência da tentativa de golpe, a Turquia decretou o estado de emergência durante três meses e desde então tem levado a cabo uma verdadeira "limpeza" em vários setores da sociedade, afastando opositores do regime. O governo de Recep Tayyp Erdogan fez milhares de detenções. 

Mais de 60.000 pessoas foram detidas ou suspensas de funções em áreas tão distintas como a educação, os media ou a justiça. Casos de tortura, espancamentos e violações de vários detidos foram denunciados pela Amnistia Internacional. 

Erdogan admitiu mesmo voltar a introduzir a pena de morte, o que suscitou apreensão por parte de dirigentes internacionais.