Os responsáveis australianos pelas buscas do avião da Malaysia Airlines desaparecido desvalorizam as alegações de uma empresa de exploração marinha segundo a qual destroços detetados no golfo de Bengala possam ser provenientes do Boeing 777.

A GeoResonance, citada pela imprensa da Malásia e televisão australiana Seven, anunciou na terça-feira que durante a busca do aparelho encontrou vestígios que podem ser de um avião comercial no golfo de Bengala, a 5.000 quilómetros da atual zona de buscas.

Mas a agência internacional coordenada pela Austrália encarregue das buscas diz que o golfo de Bengala está fora da área de pesquisa.

Entretanto, as autoridades que coordenam as buscas deram por concluídas oficialmente as missões aéreas no oceano Índico para encontrar os restos do aparelho.

«Os navios e aeronaves que trabalhavam no mapeamento da superfície marinha vão regressar às respetivas tarefas nacionais nos próximos dias», indica um comunicado do Centro de Coordenação de Agências Conjuntas.

Aviões da Austrália, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, Malásia, Nova Zelândia e Reino Unido efetuaram buscas desde o passado dia 18 de março numa grande região do oceano Índico pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines.