O Comité Internacional da Cruz Vermelha garante estar em condições de levar apoio humanitário às populações do enclave rebelde de Ghouta oriental, nos arredores da capital síria, Damasco, fortemente bombardeado nos últimos dias pelas forças armadas do governo. Alerta, contudo, que em cinco horas os veículos não conseguem chegar ao local.

É impossível levar um comboio de ajuda humanitária em cinco horas. Temos uma vasta experiência em transportar ajuda através das fronteiras da Síria e sabemos que pode levar um dia inteiro apenas para passar pontos de controlo, apesar do acordo prévio de todas as partes", afirmou Robert Mardini, diretor da Cruz Vermelha para o Médio Oriente.

Numa comunicação citada pela agência noticiosa Reuters, Robert Mardini, sem nunca mencionar a Rússia, alerta que os corredores humanitários devem ser bem planeados, com o compromisso de todas as partes envolvidas no conflito.

Da mesma forma, o dirigente da Cruz Vermelha assinala que as pessoas no local devem poder ter a liberdade de sair. Nas últimas horas, o governo sírio e a diplomacia russa têm acusado fações rebeldes que dominam Ghouta de impedir civis de deixar a região.