Aumentou para 59 o número de mortos dos bombardeamentos nas últimas 24 horas contra a região síria de Ghouta oriental, bastião da oposição, nos arredores de Damasco, disse esta sexta-feira o Observatório Sírio para os Direitos do Homem.

A organização não-governamental com sede em Londres refere que os ataques estão a ser coordenados entre a aviação de combate síria e russa e a artilharia de campanha das forças governamentais.

Os dados do observatório especificam que 37 dos 59 mortos são habitantes de Duma, a principal cidade de Ghouta oriental.

As outras zonas que também foram alvo dos bombardeamentos e do fogo de artilharia foram Al Iftris, Arbín, Mesraba, Hamuiya, Otaya, Saqba, Yisrin, Al Hush, Al Nashabie e Hazram.

As ações militares têm-se intensificado tendo-se registado, desde domingo, 416 mortos, entre os quais 96 menores e 61 mulheres.

De acordo com o observatório ficaram feriados 2.116 civis e, pelo menos, uma dezena de centros hospitalares foram atingidos pelos ataques de Damasco.

Na quinta-feira à noite, a Rússia, aliado do governo do Damasco, bloqueou uma resolução das Nações Unidas para estabelecer uma trégua humanitária na Síria.

Moscovo defende a ofensiva governamental contra Ghouta oriental apesar das críticas internacionais.