A capa de gelo da Antártida derreteria se se queimassem todas as reservas disponíveis de combustíveis fósseis da Terra. E se isso acontecesse, o nível dos oceanos subiria entre 50 a 60 metros.

É esta a conclusão de um estudo publicado esta sexta-feira pela revista Science Advances.

O documento do Instituto de Postdam para a Investigação do Impacto Climático e da Universidade norte-americana de Stanford assinala que a contribuição da Antártida para o aumento do nível do mar poderia limitar-se a alguns metros, que pode ser gerível, se o aquecimento global não superar os dois graus centígrados.

Ora, a Organização das Nações Unidas apresentou, em julho, um documento criado por especialistas internacionais no qual foram reunidas ações específicas para aplicar pelos países, de forma a limitar o aquecimento global abaixo dos dois graus centígrados. 

A estratégia assenta em três pilares: maior eficiência energética em todos os setores, o impulsionamento de fontes renováveis e da energia nuclear para a produção de eletricidade e a substituição de combustíveis fósseis no transporte, aquecimento e indústria mundiais.

Os cientistas consideram que uma subida das temperaturas globais acima dos dois graus poderia provocar problemas graves e irreversíveis na Terra.