O ministro dos Negócios Estrangeiros da Autoridade Nacional Palestiniana, Riyad Al Malki, agradeceu a solidariedade da Venezuela face à ação militar de Israel na Faixa de Gaza e «prometeu» que o país «não se vai render».

«Faço-vos uma promessa: o povo palestiniano não se vai render. O povo palestiniano vai aguentar, o povo palestiniano vai vencer», afirmou Al Malki, esta quarta-feira, durante um ato público de solidariedade para com a Palestina que se realizou em Caracas.

O chefe da diplomacia palestiniana, que se encontra na capital venezuelana encerrando uma visita à região, disse que o seu país sente «orgulho» de receber o apoio da Venezuela, que é um «ingrediente essencial para vencer na luta pela independência e pela liberdade».

«Nós necessitamos de todos vós em momentos tão difíceis como o de hoje para se levantarem e estarem ao lado da luta do povo palestiniano, para continuar a aguentar o ataque, o genocídio israelita contra a Faixa de Gaza», acrescentou.

O ministro palestiniano afirmou ainda, citado pela agência Efe, que graças ao apoio da Venezuela e de outros países «amigos e irmãos» foi possível alcançar uma resolução junto do Conselho de Direitos Humanos da ONU para estabelecer uma comissão que investigue «as atrocidades cometidas por parte de Israel contra o povo palestiniano em Gaza».

Al Malki também agradeceu a campanha de solidariedade impulsionada pelo governo venezuelano intitulada «Somos todos Palestina», indicando que a ação israelita em Gaza já causou 2.000 mortos, incluindo 400 crianças, e mais de 10.000 feridos.